Dica de Língua Portuguesa: leituras sobre alfabetização

Olá, Educadores.

Toda criança que está na escola pode aprender.

Nossa proposta nesta série de dicas é ajudá-los a desenvolver em seus alunos as habilidades básicas de leitura e resolução de problemas. Elas serão úteis em todas as disciplinas e para o resto de suas vidas.

A dica de hoje são algumas leituras sobre o processo de alfabetização.

Texto 1: Alfabetização e letramento: refletindo sobre as atuais controvérsiashttp://goo.gl/6IvC

O artigo da pesquisadora Lúcia Lins Browne Rego (2006), disponível no Portal do MEC, aborda algumas concepções teóricas e pesquisas sobre o processo de alfabetização, destacando algumas metodologias adotadas em escolas brasileiras.

Texto 2: Emília Ferreiro, a estudiosa que revolucionou a alfabetizaçãohttp://goo.gl/O4Tff

A reportagem de Márcio Ferrari destaca os principais aspectos das descobertas das pesquisadoras Emília Ferreiro e Ana Teberosky na área da psicogênese da língua escrita. A divulgação de seus livros no Brasil, a partir de meados dos anos 1980, causou um grande impacto sobre a concepção que se tinha do processo de alfabetização, influenciando as próprias normas do governo para a área, expressas nos Parâmetros Curriculares Nacionais.

Texto 3: Resenha do livro “Reflexões sobre a alfabetização”, de Emília Ferreirohttp://goo.gl/HqUKs

A reportagem de Beatriz Vichessi para o site da Revista Nova Escola destaca o conjunto de artigos escritos por Emília Ferreiro sobre suas investigações acadêmicas, reunidas em uma publicação. Lançado em 1981, o livro (Ed. Cortez, 104 páginas) é um dos melhores materiais para quem quer iniciar o estudo a respeito de suas principais contribuições sobre a alfabetização.

Texto 4: Diagnóstico na alfabetização para conhecer a nova turmahttp://goo.gl/QDtf

A reportagem de Anderson Moço para o site da Revista Nova Escola traz dicas práticas sobre a sondagem inicial (ou diagnóstico da turma), que permite identificar quais 4 hipóteses propostas por Ferreiro e Teberosky sobre a língua escrita que as crianças têm. Com isso, é possível adequar o planejamento das aulas de acordo com as necessidades de aprendizagem de cada aluno. O artigo traz ainda explicações resumidas sobre essas hipóteses que a criança elabora sobre o sistema de escrita mesmo antes de saber ler e escrever convencionalmente.

Por fim, assista a um trecho da palestra de Emilia Ferreiro na 1ª Semana de Educação, promovida pela Fundação Vitor Civita em 2006. Nesse vídeo, ela fala sobre a oposição entre alfabetização e letramento. Aborda também as diferenças entre os métodos construtivista e fônico de alfabetização de crianças.

Boas leituras!