Gibitecas do Programa Integrar ampliam o interesse pela leitura entre estudantes de Paracatu (MG)

Gibitecas do Programa Integrar ampliam o interesse pela leitura entre estudantes de Paracatu (MG)

As pequenas histórias que recheiam os quadrinhos e fazem a imaginação das crianças e adolescentes alcançar voo têm conseguido incentivar o gosto e o hábito pela leitura nos estudantes que participam do Programa Integrar, em Paracatu (MG).

A iniciativa é uma das ações do programa social desenvolvido pela empresa Kinross desde 2011 com objetivo de contribuir para a melhoria da qualidade da educação pública no município.

Nas escolas, os alunos têm à disposição um amplo acervo de gibis, que são utilizados pelos educadores para o desenvolvimento de atividades pedagógicas em sala de aula, assim como para ações livres de leitura. “O gibi é um excelente recurso motivador para a aprendizagem”, destaca a professora de Língua Portuguesa Rívia Barbosa de Melo Andrade, da Escola Estadual Affonso Roquette.

Em 2015, o Programa Integrar passou a adquirir também gibis usados, mas em bom estado, incluindo títulos, como “Revista Turma da Mônica Jovem”, para as escolas com turmas de 9º ano. Com essa nova estratégia, o volume de gibis distribuídos nas escolas saltou de 2.175, em 2014, para 4.886, em 2015, um acréscimo de 125% no volume de títulos disponibilizados aos estudantes.

Segundo o depoimento de vários professores, com a chegada dos gibis os alunos passaram a ler mais, despertando o interesse principalmente dos estudantes com dificuldades de leitura e interpretação de textos.

Os resultados não poderiam ter sido mais positivos. A gibiteca foi uma das ações mais bem avaliadas este ano no Programa e conseguiu envolver toda a comunidade escolar. Isso porque os materiais passaram a ser utilizados pelos professores das escolas, permitindo que outras turmas que não participam diretamente das atividades do Integrar também pudessem se beneficiar da ação. Na Escola Municipal Coraci Meireles de Oliveira, o acervo também foi disponibilizado aos alunos de EJA (Educação de Jovens e Adultos), no período noturno, para empréstimo e leitura, sendo muito bem aceito pelos estudantes.

Na avaliação da coordenação da Escola Estadual Olindina Loureiro, a gibiteca é um verdadeiro sucesso. “Meus alunos chegam muito nervosos à escola e, a primeira coisa que faço, é a leitura de gibis. Eles acalmam muito. É significativo o resultado e aprendizagem de alguns estudantes”, afirma a professora regente de 5º ano Marizelda da Cruz dos Reis.

Já a Escola Estadual Josino Neiva e a Escola Municipal Cacilda Caetano de Souza ressaltam os ganhos da iniciativa para a participação dos estudantes na Prova Brasil, tendo em vista que, a partir do contato mais próximo com os gibis, os alunos passaram a assimilar melhor os quadrinhos com as questões da prova que apresentam tal gênero.

Na Escola Municipal Gidalte Maria dos Santos, a chegada de novos gibis para o acervo sempre é motivo de festa entre os estudantes: “Eles adoram”, afirmou a professora regente de 5º ano Jaqueline Silva Monteiro.

Outro relato de sucesso no que se refere ao uso pedagógico da gibiteca é o da professora de Língua Portuguesa Rosângela José Barbosa, da Escola Municipal Professora Maria Trindade Rodrigues, que acompanhou a evolução de um aluno do 9º ano, que mal sabia ler no início do ano letivo. “Quando a gibiteca chegou na escola”, ela comenta, “este aluno sempre retirava os gibis mais “fininhos” para ler. Pouco tempo depois, surpreendeu a todos, professores e colegas, ao levar para leitura em casa 4 ou 5 gibis de uma só vez. Certo dia, pediu emprestado na biblioteca da escola um livro com mais de 100 páginas. Dias depois, empolgado, recontou a história inteira para nós. Foi emocionante: ele aprendeu a ler e a interpretar a partir da leitura de gibis”.

Para saber mais sobre o Programa Integrar acesse o site:

Conheça também a publicação Avaliação & Aprendizagem no seguinte endereço:

 

* Foto: Gibitecas do Programa Integrar em escolas públicas de Paracatu (MG): “Ler é fazer as malas com as letras e viajar nas palavras”.