Jornal escolar: saiba como fazer com seus alunos

Quer fazer um jornal na sua escola? Ou apenas com os alunos da sua sala? Independente da abrangência dessa atividade é importante pesquisar sobre o assunto e se organizar para colocar em prática esse veículo midiático que também é estratégia pedagógica.

Fazer um Jornal Escolar é projeto pertencente à área de Educomunicação. Segundo Ismar de Oliveira Soares, doutor em educação e especialista no assunto, essa junção partiu do conjunto de atividades voltadas para o conhecimento do uso desses meios numa perspectiva de prática da cidadania. Ou seja, usa-se a mídia a favor da formação dos alunos.

Educomunicação nas escolas

O Programa Mais Educação surgiu em 2008, da necessidade de oferecer apoio às escolas que apresentavam índices abaixo do esperado no Ideb. O Mais Educação, portanto, visa promover a educação integral das crianças e adolescentes e alavancar os índices apontados pela Prova Brasil.

O Programa possui dez macrocampos de atuação e um deles é “Comunicação e Uso das mídias” que diz respeito a atividades de rádio, jornal, fotografia, vídeo e histórias em quadrinhos.

Dessa forma a Educomunicação esta ganhando destaque e não é preciso ser uma das escolas do Programa Mais Brasil para seguir as dicas e atividades que eles propõem. Veja aqui como montar um jornal na sua instituição de ensino, baseado no Guia do Jornal Escolar.

Organizando a produção:

1) Periodicidade: Definir de quando em quando o jornal será publicado. Recomenda-se uma edição do jornal a cada dois meses ou a cada 45 dias, no máximo. Fazer um jornal mensal provoca uma correria pouco propícia à realização de um bom trabalho.

2) Quantidade de páginas: O correto é que cada aluno participante do projeto tenha pelo menos um texto publicado a cada duas edições. O número de página deve ser pensado fazendo uma relação com o número de alunos para participar. Veja quadro:

Alunos na turma

Páginas necessárias

60

5

80

7

100

8

120

10

140

12

160

13

180

15

3) Tiragem do jornal: Pense que o jornal precisa circular. Cada aluno da escola deve receber um exemplar. Estude a possibilidade de exemplares extras serem distribuídos na comunidade. Tudo isso deve ser levado em consideração para se chegar em um número.

4) Qualidade de impressão: A qualidade de impressão influi na percepção que os alunos têm da importância do jornal. Por isso é preciso imprimir colorido? Não. A expectativa de qualidade a respeito de um jornal escolar não é a mesma de um jornal comercial ou de uma revista. É possível imprimir em papel branco ou em papel jornal, por exemplo. Estude as possibilidades com uma gráfica antes de tomar decisões.

5) Quem publica no jornal? Determine o alcance desse projeto. Apenas uma sala? Alunos apenas ou a direção e os professores terão um espaço no jornal? Recomenda-se nesse último caso identificar esse espaço com vinhetas como “Informes da Escola”, “Fala Professor” ou algo semelhante.

7) Preparando o Projeto Editorial: Organizar todas as decisões no Projeto Editorial. Faça uma tabela com as informações definidas.

8 ) Calculando o custo de impressão: Por fim, consulte gráficas para saber o preço final desse projeto.

Desafios:

1) Escolha de conteúdos: Cabe ao professor conduzir essa questão e para isso ele tem algumas opções. O jornal pretende dar ao aluno autonomia e valorizar o seu trabalho, o que não significa a falta de supervisão e orientação do professor. Isso é necessário para alcançar o objetivo pedagógico da atividade com jornal. Vamos as opções:

- Conteúdo livre: Cada aluno escreve sobre o tema que quiser e os alunos definem o gênero textual também.

- Conteúdo livre, dentro de gênero pré-definido: O educador determina o gênero textual e cabe aos alunos definirem os temas dos textos.

- Conteúdo direcionado para área temática, sem gênero pré-definido: Professor escolhe com os alunos uma área temática a ser trabalhada nos textos. Por exemplo, aquecimento global ou cultura escolar.

- Área temática e gêneros pré-definidos: É o enfoque de maior risco do ponto de vista da expressão do aluno, que fica preso a dois condicionantes do educador. A vigilância para trabalhar desse modo deve ser redobrada na problematização da área temática, para o jornal não se afastar da vida dos alunos.

2) Aprimoramento dos conteúdos: A revisão e correção dos conteúdos é necessária por dois motivos principais. É difícil uma evolução do aluno sem que ele saiba onde está cometendo erros e a escola não pode aprovar publicações que possa expor o aluno de maneira negativa, criando situações constrangedoras. Para envolver os alunos nessa tarefa as correções podem ser feitas em pequenos grupos, coletiva ou com leituras individuais.

3) Seleção de produções: Na maioria das vezes é difícil divulgar a produção de todos os alunos no jornal. Em um programa com grande número de alunos, o melhor que se pode fazer é publicar um texto a cada duas edições. Isso só é viável, contudo, se o jornal tiver um número relativamente grande de páginas. No fim tudo depende do Projeto editorial definido no início da atividade e de acordos pré-definidos, como estes:

- Todos os alunos terão chances iguais de divulgação;

- As produções serão escolhidas democraticamente;

- Os mesmos alunos não poderão ser sempre selecionados;

- As produções indicadas passarão por processo de aprimoramento, no qual todos os alunos poderão fazer recomendações;

- O professor poderá ter uma cota de produções para indicação própria (para casos específicos como o de querer valorizar um aluno que esteja passando por problemas ou aumentar a autoestima de outro).

Essas foram algumas dicas sobre uma das mídias que podem ser usadas para educar.

Para ter acesso ao Guia do Jornal Escolar completo clique aqui. http://comcultura.org.br/wp-content/uploads/2010/04/guia-do-jornal-escolar-versaoweb.pdf

Para saber mais sobre educomunicação acesso o artigo da pesquisadora Daniele Próspero. (aqui)

Sobre fanzines:

http://www.cencib.com.br/simposioabciber/PDFs/CC/Lucio%20Luiz.pdf

http://www.ufpe.br/nehte/hipertexto2009/anais/b-f/fanzine.pdf

Entrevista com o Professor do Departamento de Educação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Juvenal Zanchetta Júnior, sobre a eficácia dos jornais nas escolas:

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/conteudoJornal.html?idConteudo=809