Série: Prova Brasil – Melhores Práticas (Parte 3)

No post anterior (leia aqui), apresentamos as quatro práticas pedagógicas comuns a 215 escolas de Educação Básica que obtiveram um bom desempenho no Ideb 2011.

Nessa terceira e última parte da série especial  sobre a Prova Brasil, vamos mostrar quatro estratégias-chave usadas por escolas que obtiveram sucesso ao implementar mudanças. A escolha desses itens foi feita pelo estudo “Excelência com Equidade”, publicado no início de 2013 pela Fundação Lemman com o Itaú BBA (veja primeiro post da série).

Confira as estratégias:

  1. Criar um fluxo aberto e transparente de comunicação
  2. Respeitar a experiência do professor e apoiá-lo em seu trabalho
  3. Enfrentar resistências com o apoio de grupos comprometidos
  4. Ganhar o apoio de atores de fora da escola

Fluxo aberto de comunicação

A pesquisa mostrou que o cuidado com a comunicação ao implementar políticas educacionais foi um aspecto comum encontrado nos casos de sucesso analisados.

Um diretor de escola afirmou que para que as propostas sejam colocadas em prática é preciso que as pessoas de sua equipe acreditem na ideia. Para isso, é fundamental estabelecer um fluxo de informação transparente e constante.

A ausência de comunicação gera tensões desnecessárias. Na pesquisa, um professor descreveu uma situação relacionada a esse aspecto que dificultava sua prática pedagógica. Ele lecionava para uma turma de 50 alunos e, uma vez por mês, sua supervisora assistia sua aula, no fundo da sala, fazendo anotações. Ela não era transparente: nunca apontava o que estava errado, nem o que estava correto em seus métodos.

“Só tempos depois a Secretária de Educação chamava para dizer os pontos errados, mas sem mostrar uma solução. É preciso ficar atento e melhorar essa troca de análises e experiências”, disse.

Segundo a pesquisa, o esforço do gestor em conhecer bem a realidade da escola que está liderando facilita o processo de comunicação e dá legitimidade às estratégias escolhidas.

Respeitar o professor e apoiá-lo

Conquistar o apoio da equipe de professores é fundamental. Mas isso exige certo “jogo de cintura”, poisa busca por melhores resultados educacionais significa, entre tantas medidas, fazer com que os professores mudem alguns métodos e hábitos em suas práticas de aula.

Na observação dos casos estudados, dois aspectos são essenciais para essa aceitação e aliança: o primeiro é reconhecer a bagagem que o professor traz, considerando essa experiência no planejamento das ações pedagógicas.

O segundo, é garantir que as mudanças implementadas ajudem efetivamente os professores a se desenvolverem profissionalmente, contribuindo para sua formação e valorização. “Se o profissional não consegue captar essa intenção por trás da reforma, ele tende a ficar na defensiva. Quando identifica que a proposta é construtiva, é mais fácil a sua adesão”, explicou um dos gestores ouvidos pela pesquisa.

Para saber mais sobre as outras estratégias clique aqui e tenha acesso à pesquisa completa:

http://www.fundacaolemann.org.br/uploads/arquivos/excelencia_com_equidade.pdf

Bom trabalho!